segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Deus e a ciência - Mais uma aberração analítica de Hélio Schwartsman (livro "Onde Realmente Está o Conflito - Ciência, Religião e Naturalismo", de Alvin Plantinga)

SÃO PAULO - Bela tentativa. É o que se pode dizer do livro "Onde Realmente Está o Conflito - Ciência, Religião e Naturalismo", de Alvin Plantinga, lançado no fim do ano passado nos EUA. O projeto da obra é ambicioso. Plantinga, que é, ao mesmo tempo, um filósofo analítico de renome e um protestante devoto, pretende demonstrar não apenas que as discrepâncias entre a ciência e a religião (em especial, a cristã) são superficiais como também que existe uma contradição insuperável entre a ciência e o naturalismo.

Não creio que tenha alcançado o objetivo, mas isso não implica que o livro seja desinteressante. Ao contrário, ele levanta questões instigantes. É particularmente feliz ao mostrar que naturalismo e materialismo apresentam várias dificuldades filosóficas e, como as religiões, também trazem embutidos uma ontologia e, se quisermos fazer com que Popper revire na tumba, uma metafísica.
Assim como Thomas Nagel, de quem falei algumas semanas atrás, Plantinga explora as implicações do problema mente-corpo. O naturalismo não tem como assegurar que pelo menos parte de nossas percepções e a própria razão (e, com elas, nossas teorias científicas) sejam confiáveis.

O livro falha, creio, quando tenta produzir evidências em favor do teísmo. Minha impressão é a de que aqui Plantinga abre mão do rigor com que tratou o naturalismo. Um exemplo: ele coloca a fé (o "sensus divinitatis" de Calvino) como uma fonte de formação de crenças tão válida quanto a razão ou as percepções.

O resultado é que Plantinga vai criando esconderijos para Deus, nichos filosóficos ou linguísticos onde o todo-poderoso pode abrigar-se de questionamentos contundentes. Mesmo assim, para os que se interessam pelo debate entre ciência e religião, que é um dos grandes temas da atualidade, o livro oferece uma perspectiva teísta que não se restringe a reafirmar os velhos contos da carochinha (embora eles estejam lá).

Fonte: UOL



Ronaldo Vasconcelos

Isso é o que dá ler o final sem ler o começo. Chamar a concepção de Alvin Plantinga sobre o sensus divinitatis de Fé é um absurdo conceitual. No esquema epistemológico de Plantinga o sensus divinitatis é participante do aparato cognitivo, portanto, está relacionado com a formação de crenças. Fé, na melhor das hipóteses, é a crença em Deus e nos seus feitos, que é justificada racionalmente por um aparato que tem entre seus componentes o sensus divinitatis. A construção extremamente complexa da teoria epistemológica de Plantinga foi simplesmente caricaturada.
 
 
Curtir · · · há 4 horas ·